Banner
Contador de Visitas
365692


POR QUE ESTAIS AÍ OLHANDO PARA O ALTO

Neste domingo celebramos a festa da Ascensão: Jesus aparece na Galiléia e volta ao Pai, porém  deixa aos discípulos a missão de evangelizar e sua promessa de estar sempre com os eles.

Na primeira leitura, Lucas nos Atos, relata os últimos acontecimentos de Jesus, depois de ter aparecido aos discípulos, recomenda a eles para que não se afastem de Jerusalém. Depois de ter estado com os discípulos, recomenda a eles que sejam testemunhas até aos confins da terra.

Depois Jesus foi levado ao céu. Os discípulos ficaram surpresos e lhes aparece dois homens de vestes brancas que advertem os discípulos: "porque estais aí a olhar para o alto" ( cf. At 1,1-11).

No evangelho, escutaremos o grande mandado de Jesus aos discípulos: "Ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo". Jesus promete também que acompanhará a todos na missão (cf. Mt 28,16-20). Esta é a grande missão de todo aquele que crê.

Somos evangelizadores na medida que testemunhamos, com nossas ações que Jesus vive e está presente no meio de nós.

A segunda leitura é uma exaltação da presença de Cristo. Ele é a cabeça da Igreja e constitui-se o Senhor da humanidade e da história.

Nele toda criatura está ligada e produzirá muitos frutos (cf. Ef 1,17-23).

Hoje também lembramos o dia dos meios de comunicação social. Na mensagem para este ano o Papa Francisco nos convida a sermos comunicadores do bem, superarmos esta marca de comunicação de coisas negativas. Também somos convidados a rezar pela unidade dos cristãos.

Pe. Mário Pizetta, ssp
Pároco


VOCÊS NÃO FICARÃO SOZINHOS

Este domingo nos mostra um ambiente de preocupação de Jesus. Jesus olha para seus discípulos e sente que eles não poderão sozinhos enfrentar os desafios.

Os apóstolos tinham crescido com Jesus, mas o Mestre, como um bom Pastor, sente  que todo caminho a ser feito daqui para frente os discípulos vão precisar da sua presença.

Jesus, portanto, começa a preparar e orientar os discípulos para a sua partida dizendo a eles que eles não ficarão sozinhos.

A primeira leitura, o livro dos Atos dos Apóstolos  testemunham a ação de Felipe na Samaria. Descreve como era a grande a alegria naquela cidade.

Felipe é o instrumento de Deus que vai realizando esta obra de evangelização. Com isso, a Igreja testemunha a expansão do evangelho. Conhecedores desta realidade, Pedro e João vão conferir o Batismo nas comunidades da Samaria, onde estava Felipe (cf. At 8,5-8.14-17). Esta atitude nos lembra hoje nossos Bispos quando comparecem na comunidade para conferir o sacramento da Crisma.

No evangelho, Jesus dirá aos discípulos: "se me amais, guardareis os meus mandamentos". Jesus invocará ao Pai para que os discípulos sejam agraciados pelo Espirito Santo, que o evangelista chama de Paráclito. Jesus afirmará eles não ficarão órfãos (cf. Jo 14,15-21).

Na segunda leitura, Pedro convida a santificação do coração para suportamos como Cristo os sofrimentos de nossa vida (cf. 1 Pd 3,15-18). 

Contemplamos neste domingo, a alegria do evangelho sendo levada aos povos, o apelo para a santificação feito por Pedro, e a promessa de Jesus para vinda do Espirito Santo.

Pe. Mário Pizetta, ssp
Pároco


"EU SOU O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA"(Jo 14,6).

 

O quinto domingo da Páscoa, já começa a mostrar a despedida de Jesus, "na casa de meu Pai tem muitas moradas"(cf. Jo 14,2).

A primeira leitura nos mostra como a comunidade vai encontrando formas de ação diante das novas situações que surgem na comunidade nascente.

A vida da comunidade é dinâmica, na medida que ela cresce surgem novos desafios e o Espirito vai agindo iluminando os seus caminhos (cf. At 6,1-7).

O evangelho está situado no contexto da ceia. Jesus vai explicar a seus discípulos que sua morte não deve preocupá-los. Jesus explica que na casa do Pai, para onde Ele vai, existem muitas moradas, vai abrir as portas. Tomé, não entendendo o que Jesus afirma pergunta: "Como podemos conhecer para onde vais se não conhecemos o caminho?".

Jesus adverte Tomé dizendo: "Você está há tanto tempo e ainda não sabe?" (cf. Jo 14,1-12).

Na segunda leitura, encontraremos Pedro que nos convidando: "aproximai-vos do Senhor, pedra viva, rejeitada pelos homens mas escolhida e honrosa por Deus", " a pedra angular que foi rejeitada pelos homens"(cf. 1Pd.2,4-9)

Neste domingo celebramos o dia das mães. Vamos elevar nossa prece de gratidão às nossas mães e pedirmos a bênção de Deus sobre elas.

 

Pe. Mário Pizetta
Pároco 


JESUS CRISTO É A  PORTA  E AS ATITUDES DO BOM PASTOR

O quarto domingo da Páscoa todos os anos nos leva para o ambiente do campo onde Jesus identifica-se  como o Bom Pastor (Jo 10,14).

A primeira leitura, segue no discurso de Pedro, sua profissão de fé sobre Jesus. A multidão impactada com as palavras do apóstolo pergunta-se: "O que devemos fazer?"(cf. At 2,37b). Pedro responde que é necessário arrepender-se, converter-se e ser batizado.

E milhares de pessoas aderem aos ensinamentos de Pedro (cf. At 2,14.36-41). Vemos que a escuta da pregação nos leva a uma metanóia ou seja uma transformação.

O evangelho nos apresenta o inicio do capítulo dez, a porta onde as ovelhas são guardadas, o redil, onde todas entram e saem.

Jesus dirá que Ele é a porta e o verdadeiro pastor entra por esta porta, as ovelhas o reconhecem e escutam a sua voz. Aquele que não é pastor, mas ladrão, escolhe outros caminhos.

Jesus alerta sobre a diferença entre o que é Pastor e ladrão. O Pastor vem trazer a vida enquanto que o ladrão vem para roubar, matar e destruir (cf. Jo 10,1-10). Este trecho nos leva a identificar nossos pastores, nossas lideranças públicas. Aqueles que agem como Pastores e aqueles que se aproveitam da inocência do rebanho para explorar.

A segunda leitura, de Pedro, nos mostra o testemunho de Cristo como verdadeiro Pastor, aquele que dá vida pelas suas ovelhas (cf. 1 Pd 2,20-25).

Neste domingo vamos rezar pelas vocações para que em meio a este grande rebanho não falta bons Pastores.

Pe. Mário Pizetta, ssp
Pároco