Mensagem da Semana 19/09 – Os Caminhos de Deus

 OS CAMINHOS DE DEUS

Este 25º Domingo do Tempo Comum, ano A, convida-nos a descobrir um Deus onde os seus caminhos e pensamentos não são os caminhos e os pensamentos dos homens. Mostra-nos um Deus bondoso e generoso. Incentiva-nos a renunciar aos esquemas do mundo e faz um apelo a conversão para acolhermos os esquemas de Deus.

A primeira leitura faz um apelo aos que estão  distantes para voltar-se para Deus. “Voltar para Deus” é um movimento que exige uma transformação radical do homem, de forma que os seus pensamentos e ações reflitam a lógica, as perspectivas e os valores de Deus (cf. Is 55,6-9)

O Evangelho, fala-nos do comportamento do proprietário da  vinha. A vinha é o povo do Israel. Num primeiro momento a parábola nos parece uma injustiça: Como pode um que chega no final do dia, receber a mesma coisa daquele que foi  o primeiro a trabalhar? Jesus, com esta parábola,  rompe com mentalidade antiga de que somente o povo de Israel estaria protegido e salvo. Jesus mostra que Deus é cheio de bondade e misericordioso,  chama, portanto,  todos os homens, não exclui e nem dá privilégios,  não leva em consideração a antiguidade na fé, os créditos, as qualidades ou os comportamentos anteriormente assumidos. Para  Deus interessa apenas a forma como se acolhe o seu convite. Pede-nos uma transformação da nossa mentalidade, de forma  que  nossa relação com Deus não seja marcada pelo interesse, mas pelo amor e pela gratuidade (cf. Mt 20,1-16)

A segunda leitura, Paulo,  espera ser glorificado  e por isso afirma: para mim  o viver é Cristo, mas o morrer é um lucro. Paulo mostra que esta dualidade de perspectivas estão presentes em sua vida. No entanto, estar com Cristo seria mais vantajoso, mas por causa de vós, é necessário que eu fique com vocês.  Paulo pede a comunidade para viver a altura de Cristo. Paulo nos dá um exemplo de cristão, pois abraçou, de forma exemplar, a lógica de Deus. Renunciou aos interesses pessoais e aos esquemas de egoísmo e de comodismo, e colocou no centro da sua existência Cristo, os seus valores, o seu projeto ( cf. Fl 1,20-24.27). Podemos nos perguntar:

a. Aplicando esta parábola para nossa vida real, vemos que o número de desempregados é assustador. São milhares de pessoas que vagueiam pela cidade em busca de um lugar para trabalhar. De um lado o avanço acelerado da tecnologia  que vai tirando o espaço do trabalhador, do outro muitos que gostariam de ganhar o seu pão de cada dia, não conseguem e além disso,  temos aqueles que ganham demais, estabelecendo a desigualdade. O evangelho nos mostra que Jesus não  fecha as portas para ninguém, pelo contrário abre. Assim também na sociedade precisamos encontrar caminhos para que todos possam trabalhar e ter o  que comer, viver em outras palavras. Nossa sociedade precisa mudar, não podemos mais continuar vivendo assim. A cada dia que passa vemos que tudo vai ficando mais difícil. Deus quer um mundo justo, onde todos precisam viver.

b. A primeira leitura nos ensina que os pensamentos de Deus e seus caminhos são diferentes dos nossos caminhos. Precisamos dar a conhecer mais os pensamentos de Deus.

c. Paulo, nos ensina a colocar Cristo como razão de nosso viver: para mim o viver é Cristo. Quando temos Cristo com centro do viver respeitamos mais o irmão.

Continuamos a lembrar de que estamos no mês da Bíblia. Incentivo a todos a procurarem neste mês a aprofundar o livro do Deuteronômio.

Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco

Fechar Menu