“Jesus é a Porta“

Chegamos ao 4º domingo da Páscoa, e todos os anos nos deparamos com a imagem de Jesus Bom Pastor. A imagem do Pastor é sempre uma imagem viva. Talvez, para o contexto dos nossos dias, de um mundo urbanizado, a imagem do Pastor fique um pouco distante, poderíamos associá-la, mesmo pobremente, à figura de um Líder. Olhando para a história da humanidade, vemos que as pessoas  sentem a necessidade de ter um líder, alguém que seja o seu referencial. Cada ano litúrgico nos leva a um aspecto particular desta parábola.

No evangelho deste domingo vemos a associação do Pastor e a Porta. Afirma Jesus: “Eu sou a porta”. Para entrar no reino dos céus, a porta é Jesus. Afirma que “todo aquele que não entra pela porta é ladrão e assaltante”. A parábola é muito rica de fortes expressões, vejamos algumas: O pastor “entra pela porta”, “as ovelhas escutam a sua voz”, “ele chama pelo nome”,” ”nenhuma fica para trás”, “conduz a pastagem”. Vamos trazer estas expressões para os nossos dias:

– “ele chama pelo nome”. Hoje, a perda da dignidade humana é tão forte,  números fazem nossa identidade. Basta ver as narrativas da TV nesses dias, número de infectados, número de óbitos, número de aparelhos, valores, tudo virou número. Identificar alguém pelo nome é muito significativo. Denota respeito, interesse, empatia, proximidade,  preocupação pelo outro. Jesus nos chama pelo nome. O Bispo quando nos Crisma, primeira palavra que diz é o nosso nome.

– “Nenhuma fica para trás”: O verdadeiro  líder  está preocupado com todos, não faz acepção de pessoas, de grupos. Trata a todos com igualdade. Não quer ninguém excluído, envolve a todos. Nos diz Jesus: “Eu vim para que todo tenham vida e vida em abundância”.

– ”Escutam a sua voz”: As palavras de um líder são reconhecidas, ele se esforça para ser transparente, o líder    traz esperanças em suas propostas.

– “conduz para pastagem”. O líder trata a todos com igualdade. Não privilegia grupos. Hoje, vemos com tristeza, que muitos de nossos  líderes para se manterem no poder, apoiam-se em grupos, formam ideologias e sutilmente oferecem vantagens (cf. Jo 10,1-10)

Na primeira e segunda leitura continuamos a ter os testemunhos de Pedro: Na primeira leitura, narrada por Lucas, nos Atos dos Apóstolos, a pregação de Pedro provoca reação, as pessoas ficam preocupadas: o que devemos fazer? O anuncio do evangelho não pode ser apresentado de forma superficial, ele precisa tocar o coração humano. Quando o evangelho  toca o coração das pessoas,  traz mudanças(cf. At 2,14-.36-41).

O texto da segunda leitura, Pedro exorta a comunidade a suportar com fé, os sofrimentos. Pedro recorda que Jesus, mesmo não tendo nenhum pecado assumiu nossas culpas, carregou a cruz de todos nós, e nos deu uma nova vida(cf. 1Pd 2,20-25).

Gostaria de compartilhar um último pensamento que nesses dias na mídia e nas redes sociais começam a surgir: Como será nosso mundo após essa pandemia: Olhando para as leituras de hoje, vejo:

a. O homem necessitará reconhecer mais Jesus, o verdadeiro Pastor, ou seja voltar-se mais para Deus, para que ele seja O Caminho, a Verdade e a Vida.

b. A humanidade deverá tornar-se mais humana, os povos mais fraternos. O mundo econômico deverá pensar mais nas pessoas.

c. A vida humana está acima da economia. Quanto mais profundidade temos de sermos seres humanos mais direcionamento daremos a economia.

Pe. Mário Pizetta, ssp
Pároco

Fechar Menu