A voz do pároco fevereiro de 2017

FRATERNIDADE: BIOMAS BRASILEIROS E DEFESA DA VIDA CULTIVAR E GUARDAR A CRIAÇÃO (GN 2,5)
A CF de 2017 expõe um dos mais importantes temas voltados ao meio ambiente: e suas implicações. Ao propor esta os biomas brasileiros reflexão, a Igreja quer nos ajudar a compreender que a vida humana está profundamente relacionada ao meio ambiente, pois é dele que virão os subsídios para a alimentação e a sobrevivência humana. Preservar os biomas é dar caráter de sustentabilidade ao planeta.
Um bioma pode ser definido como “Conjunto de vida vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e que podem ser identificados [sic] regional, com condições de geologia a nível e clima semelhantes e que, historicamente, sofreram os mesmos processos de formação da paisagem, resultando em uma diversidade de flora e fauna própria” (cf. IBGE, http/7a12.ibge.gov.br).
Olhando para o histórico das Campanhas, identificamos que o tema do Meio Ambiente volta sempre. Vejamos:
1979: Por um mundo mais humano, preserve o que é de todos;
1986: Fraternidade e a terra – Terra de Deus, terra de irmãos;
2004: Fraternidade e a Água, fonte de vida;
2007: Fraternidade e Amazônia – Vida e Missão neste chão;
2011: Fraternidade e a vida no Planeta – A criação geme em dores de parto;
2016: Casa Comum, nossa responsabilidade (cf. Texto Básico CF 2017 n. 24-25, CNBB).

São seis os biomas no Brasil, de acordo com especialistas e o livro texto da CF 2017: A Floresta Amazônica, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Mata Atlântica e Pampas. Cada Bioma é um conjunto de riquezas da flora e da fauna brasileira. A Amazônia é o maior bioma do Brasil, com mais de 2.500 espécies de árvores e 30 mil de plantas. A caatinga ocupa dez estados brasileiros; abriga 1.487 espécies de fauna e 27 milhões de pessoas. O cerrado detém 5% da biodiversidade do Planeta e é conhecido como a savana mais rica do mundo. .
Na Mata Atlântica, 15% do território é coberto pelo bioma reconhecido com Patrimônio Nacional. O Pampa contempla paisagens naturais variadas, de serras a planícies, de morros rupestres e coxilhas; e, por último, o Pantanal é considerado uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta. (cf. Paulo Araújo/MMA).
Temos uma diversidade de riquezas inimagináveis em relação à fauna e à flora brasileira. A destruição dos biomas é o estabelecimento do desequilíbrio do planeta
Uma grande vantagem do estudo dos biomas diz respeito ao cultivo das plantações, não só em relação à espécie em si, mas à produtividade.
Natureza e trabalho humano precisam viver harmoniosamente. Quando o homem destrói o bioma pela ganância do dinheiro, dos grandes empreendimentos, está acelerando seu próprio caminho até a morte. Pela preservação dos biomas está a continuidade da espécie humana.
Então, qual o caminho? O caminho é trabalhar a terra de forma sempre sustentável a partir de políticas públicas ambientais que respeitem a biodiversidade dos biomas. Deus nos deu o planeta Terra gratuitamente para servir a todos. Não faz sentido alguém ser possuidor de grandes áreas. A natureza está a serviço do homem, não a serviço do lucro. Cabe ao homem saber usar corretamente o planeta, ou seja, cultivar e guardar a criação (Gn 2,5).
Pe. Mário Pizetta, ssp (Pároco)

Fechar Menu